segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

O Ausente




O ausente

Amiga, infinitamente amiga
Em algum lugar teu coração bate por mim
Em algum lugar teus olhos se fecham à ideia dos meus
Em algum lugar tuas mãos se crispam, teus seios
Se enchem de leite, tu desfaleces e caminhas
Como que cega ao meu encontro...
Amiga, última doçura
A tranquilidade suavizou a minha pele
E os meus cabelos. Só meu ventre 
Te espera, cheio de raízes e de sombras
Vem, amiga
Minha nudez é absoluta
Meus olhos são espelhos para o teu desejo
E meu peito é tábua de suplícios
Vem. Meus músculos estão doces para os teus dentes
E áspera áspera é minha barba. Vem mergulhar em mim
Como no mar, vem nadar em mim como no mar
Vem te afogar em mim, amiga minha
Em mim como no mar...



REFERÊNCIA

MORAES, Vinícius de. Antologia poética. São Paulo: Círculo do Livro, [19--].

6 comentários:

  1. Lindo demais... inspirador.
    beijo e ótima semana

    ResponderExcluir
  2. Que lindo. Adoro Vinícius de Moraes.
    Acho incrível a forma que ele retrata a mulher em seus poemas.

    Tecido_Doce
    Sorteio
    Twitter

    ResponderExcluir
  3. A mulher tratada em poesia..
    Como não suspirar lendo??rs

    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tens razão, na tem jeito... Ahhhh...rs.
      Att.,
      Luks

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...